13/06/2008

Inspiração: O Poder da Palavra


Madre Teresa de Calcutá, para além da lição contida nas suas acções, disse muitas coisas dignas de serem recordadas, verdadeiros ensinamentos, valiosos se incorporados na vida de qualquer um de nós, independentemente de quem sejamos ou quaisquer que sejam as nossas crenças. Porque os verdadeiros bons exemplos, os que são realmente luminosos, são universais.

Ora bem, dessas muitas coisas, existe uma em especial que recordo, mais da sua essência do que as palavras exactas. Certo dia, aquando uma entrevista, Madre Teresa afirmou que nunca haveria de participar numa manifestação contra a guerra ou contra a fome. Ao invés disso, aceitaria qualquer convite que fosse em favor da paz ou a favor da abundância para todos os seres humanos.

Alguns devem questionar-se sobre a diferença entre ser contra a guerra ou a favor da paz. Mas é a diferença do mundo. É o poder da palavra e do pensamento. Quantas palestras, seminários, livros, filmes existem hoje sobre o poder da palavra, e como o facto de nos expressar-mos sempre pela positiva faz de nós e de quem nos circunda mais leves, mais positivos, mais alegres, mais saudáveis, mais optimistas.


Sobre o poder da palavra, encontrei o seguinte texto, que pode ser elucidativo:


"O uso da palavra define o ser humano. Raramente, num instante de meditação, ficamos livres do pensamento. Uma das nossas características centrais é que falamos quase o tempo todo, não apenas com palavras físicas, mas também mentalmente. Quando não dizemos nada para os outros, estamos dizendo coisas para nós próprios. Quando não escutamos alguém, ouvimos dentro de nós a voz interior das esperanças e anseios que habitam nosso universo pessoal.


A fala, assim, é muito mais do que um mero som ou uma seqüência lógica de pensamentos. É uma corrente magnética cheia de vida. Para o cachorro, a voz do dono desperta devoção e um sentido natural de obediência. Para a criança pequena, a voz da mãe dá tranqüilidade e a faz dormir. Para aquele que busca compreender a si mesmo, a voz da consciência é seu grande mestre.


A filosofia esotérica ensina que o mundo físico, com suas três dimensões, é rodeado por um universo invisível, eletromagnético e transcendente. Nessa quarta dimensão, as distâncias físicas não têm importância. Esse mundo sutil é conhecido como luz astral, ou akasha. Nele estão registradas as imagens de todas as coisas que passaram e as sementes das coisas que virão. É um espaço-tempo diferente, que rodeia e também interpenetra o nosso pobre mundo tridimensional. Ali as coisas podem deslocar-se na velocidade do pensamento.


Esse mundo oculto é influenciado decisivamente pela palavra. “No início era o verbo”, diz a Bíblia (João,1:1). E o verbo ainda hoje cria o universo humano. Todos os dias, pela manhã, reinventamos a vida. É sempre aqui e agora que criamos o nosso destino futuro, através das palavras que dizemos para nós próprios e para os outros. Cada pensamento e cada som é um mantra, porque detém um poder mágico de influenciar a vida de modo profundo. Eliphas Levi escreveu: “As vibrações da voz modificam o movimento da luz astral e são veículos poderosos do magnetismo”.(1) As vibrações do pensamento que não é falado têm o mesmo efeito.


O poder da palavra é enorme, portanto. Ela salva e condena, ilumina e causa escuridão, faz adoecer, cura e dá esperança. O pensamento correto leva à palavra e à ação corretas, e disso surge a felicidade. Está escrito em “Provérbios”, um texto bíblico que transmite grande sabedoria:


“Uma resposta branda aplaca a raiva, uma palavra agressiva atiça a cólera. A língua dos sábios torna o conhecimento agradável, a boca dos insensatos destila ignorância. Em todo lugar os olhos de Deus estão vigiando os maus e os bons. A língua suave é árvore da vida, mas a língua perversa quebra o coração. (...) Os lábios dos sábios espalham conhecimento, mas o coração dos insensatos não é assim.” E poucas linhas mais adiante: “Abominação para Deus são os pensamentos maus, mas as palavras benevolentes são puras.”(2)


A palavra é a unidade básica do pensamento e da fala, e sempre chega ao seu destino. Ela produz um efeito eletromagnético, independentemente de nós sabermos ou desejarmos isso. Mas a parte principal do seu efeito se volta para nós próprios. As palavras que dizemos ficam gravadas em nosso inconsciente e se misturam ao nosso destino. Esta é uma lei inevitável, e por isso nossa vida é, de fato, resultado do nosso pensamento.


O Dhammapada, uma das escrituras do budismo, ensina:


“Tudo o que somos hoje é resultado do que temos pensado. O que pensamos hoje é o que seremos amanhã: nossa vida é uma criação da nossa mente. Se um homem fala ou age com uma mente impura, o sofrimento o acompanha como a roda segue a pata do boi que puxa a carreta. (...) Se um homem fala ou age com a mente pura, a felicidade o acompanha como sua sombra inseparável.”(3)


O Novo Testamento (Tiago, 3:2-3) afirma: “Aquele que não tropeça ao falar é realmente um homem perfeito, capaz de refrear todo seu corpo. Quando colocamos um freio na boca dos cavalos, a fim de que nos obedeçam, conseguimos dirigir todo seu corpo.” Assim como a cabeça do cavalo, a palavra vai na frente, abre caminho e define as linhas pelas quais o futuro será construído.


(1) A Chave dos Grandes Mistérios, de Eliphas Levi, Ed. Pensamento, SP, p. 111. (2) Provérbios, 15, 1-7, e também 15:26 no Antigo Tes- tamento. (3) Dhammapada, Caminho da Lei, tradução e adaptação de Georges da Silva, Ed. Pensamento, SP, p. 19.





Leia mais:

Parabóla sobre o poder da palavra: http://astrologia.sapo.pt/Xz223/511610.html






Conheça mais sobre Madre Teresa de Calcutá:

1 comentário:

Meus Netos Minha Fortuna disse...

Querida Ana
MADRE TERESA DE CALCUTÁ!
Dieixaste-me sem palavras...
Tenho um grande respeito e admiração por esta GRANDE"FAZEDORA" do bem...ADMIRO-A MUITO!!!
BOM fim de semana
Um beijinho
Vóvó Cassilda

Google